domingo, 10 de maio de 2009

Ferramentas da Qualidade: Grafico Controle

Na área de Qualidade, seja ela de manufatura, software ou qualquer outra, temos como subsidio as Ferramentas da Qualidade, que são descritas como sete:
  • Análise de Pareto
  • Diagrama de Causa-Efeito
  • Check-Sheets (Planilha de Checagem)
  • Control Charts (Gráfico de Controle)
  • Histogramas
  • Diagrama de Scatter/Plot
  • Estratificação
Todas são importantes e diferem entre sí para que possamos encontrar respostas e controlar a qualidade do nosso produto. Neste momento será apresentado o que é a como funciona um Control Charts (Gráfico de Controle).

Control Charts (Gráfico de Controle)
Um Control Chats (Gráfico de Controle) é uma ferramenta estatística para avaliar, acompanhar, e manter a estabilidade do processo [1]. O seu principal objetivo é monitorar uma determinada atividade ou processo contínuo a fim de descobrir algum desvio ou variação desta atividade ou processo.Com ele pode-se: prevenir defeitos, evitar desperdícios, eliminar o que comprometa a eficiência, reduzir custos.

Acompanhando a variação de uma atividade ou processo estatisticamente onde as atividades são repetidas, que também é um dos princípios desta ferramenta, podemos encontrar dois tipos de variação:
  1. Comum ou aleatórios: também conhecido como Causa Comum de Variação são variações inerentes ao processo e, geralmente, vem de várias fontes de pequenas variações. Eliminar as Causas Comuns é mais difícil, pois requer o conhecimento e analise de todo o processo de mudança: procedimentos, pessoas, padrões, etc.. Dentro do gráfico de controle as Causas Comuns podem ser visualizadas dentro do limite de controle.

  2. Eventos especiais ou exclusivos: também conhecido como Causas Especiais de Variação são variações que surgem ocasionalmente no processo e a eliminação desta variação está geralmente relacionada a execução das atividades daquele processo. Uma vez que identificamos a Causa Especial de Variação, deve-se eliminá-la e prevenir a reincidência da mesma causa com uma ação preventiva.
Figura 1 - Exemplo de um Control Chart

Podemos ler o gráfico da seguinte maneira:
  • Todos os itens que ultrapassarem o limite superior ou inferior (foram dos limites) são considerados Causas Especiais. Na Figura 1, temos que as Causas Especiais são os valores 7, 11 e 18.

  • Todos os itens que estiverem dentro dos limites superiores e inferiores são considerados Causas Comuns, apresentados na Figura 1, excluindo os itens 7, 11 e 18.
Como construir um Control Chat (Gráfico de Controle)
Construiremos um Gráfico de Controle toda vez que um processo ou atividade estiver fora de controle. Este gráfico, geralmente, não é criado quando identificamos um processo ou atividade fora de controle. Inicialmente a equipe deve fazer um brainstorm sobre os problemas, utilizar-se de Análise de Pareto e Diagrama de Causa-Efeito para evoluir para um Gráfico de Controle.

Construção:

  1. Identificar a característica do processo que será monitorado: defeitos, custo, tempo gasto em determinado processo padronizado, etc...

  2. Escolher o tipo apropriado de gráfico para apresentar as características do processo monitorado. Você pode criar mais limites inferiores e superiores para seu controle.

  3. Determinar os métodos de amostragem: tempo, quantidades, custo, número de defeitos, etc...

  4. Coletar uma amostra de dados.

  5. Analisar a calcular a amostra: médias, limites superiores e inferiores.

  6. Construir o Gráfico de Controle baseado dos dados de amostra

  7. Alimentar com mais dados a medida do tempo e monitorar as Causas Comuns e Causas Especiais.

  8. Avaliar qualquer dado fora do limite no Gráfico de Controle. Se isso acontecer, investigue estes padrões e tente entender porque este processo está fora do limite. A investigação e correção pode levar a melhorias no processo.
Com o acompanhamento do Gráfico de Controle conseguimos determinar os pontos de atenção do processo que está sendo acompanhado, estabelecer medições no processo e buscar melhorias no processo através da análise das Causas Especiais de Variação. Este pode e deve ser um grande aliado a todos os perfis que temos dentro da área de Teste e Qualidade de Software.

[1]  CBOK – Common Body of Knowledge, 2007, QAI – Quality Assurance Institute

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário